jump to navigation

Vaticano acende campanha contra casamento de homossexuais July 31, 2003

Posted by igualdadenocasamento in Portugal.
1 comment so far

Num documento tornado público esta quinta-feira, o Vaticano rejeita qualquer tentativa de legalização de uniões entre homossexuais e apela aos políticos católicos para se oporem à aprovação de leis nesse sentido.

O texto chama-se «Considerações sobre projectos de reconhecimento legal das uniões entre pessoas homossexuais» e é assinado pelo presidente da Congregação da Doutrina da Fé, o cardeal alemão Joseph Ratzinger.

O documento surge depois do Papa João Paulo II ter sido várias vezes confrontado com questões ligadas à homossexualidade, caracterizada como «fenómeno moral e social preocupante» pelo Vaticano.

Para além de sustentar a impossibilidade da união homossexual (em passagens como «o matrimónio não é uma união qualquer entre pessoas humanas») o documento do Vaticano apela à oposição dos políticos na sua legalização.

«O deputado católico tem o dever moral de exprimir clara e publicamente o seu desacordo e de votar contra esse projecto de lei», diz o texto.

«Reconhecer legalmente as uniões homossexuais ou equipará-las ao matrimónio, significaria, não só aprovar um comportamento errado, com a consequência de convertê-lo num modelo para a sociedade actual, mas também ofuscar valores fundamentais que fazem parte do património comum da humanidade. A Igreja não pode abdicar de defender tais valores, para o bem dos homens e de toda a sociedade», conclui o documento.

Contra a adopção de crianças

Ainda segundo o Vaticano, as uniões homossexuais «não estão em condições de assegurar, de modo adequado, a procriação e a sobrevivência da espécie humana».

«Inserir crianças nas uniões homossexuais através da adopção significa, na realidade, praticar a violência sobre essas crianças, no sentido que se aproveita do seu estado de fraqueza para introduzi-las em ambientes que não favorecem o seu pleno desenvolvimento humano. Não há dúvida que uma tal prática seria gravemente imoral e pôr-se-ia em aberta contradição com o princípio reconhecido também pela Convenção internacional da ONU sobre os direitos da criança, segundo o qual, o interesse superior a tutelar é sempre o da criança, que é a parte mais fraca e indefesa», diz o texto.

Nas dez páginas assinadas pelo cardeal Ratzinger, há lugar ainda à postura a adoptar: «É imperativo da consciência moral dar, em todas as ocasiões, testemunho da verdade moral integral, contra a qual se opõem tanto a aprovação das relações homossexuais como a injusta discriminação para com as pessoas homossexuais.

Image hosted by Photobucket.com

Organizações homossexuais protestam

O anúncio da publicação do documento foi acompanhado por protestos de organizações homossexuais e de membros do Partido Radical italiano.

Na avaliação do Partido radical, o «novo documento homófobo anunciado pela Congregação da Doutrina da Fé é uma nova etapa contra as liberdades individuais e uma violação dos direitos civis mais elementares».

Documento TSF.

Argentinos celebram primeiro casamento gay July 19, 2003

Posted by igualdadenocasamento in Portugal.
3 comments

Image hosted by Photobucket.comO primeiros casamento entre dois argentinos homessexuais, sexta-feira, fez história na Argentina. Esta é também a primeira união gay legalizada de toda a América Latina.

César Cigliutti, 45 anos, e Marcelo Suntheim, 34, vivem juntos há quase cinco anos. Ontem, deram o nó em Bunos Aires, tornando-se assim os protagonistas do primeiro casamento gay de toda a América Latina.

Os noivos, que tinham o mesmo corte de cabelo curto, ternos escuros, camisas brancas e gravata, entraram no cartório, no centro de Buenos Aires, discretamente, de mãos dadas, mas não puderam escapar dos fotógrafos e das câmaras de televisão.

«Estamos a viver numa sociedade um pouco mais justa. Amo o Marcelo e sou feliz com ele», disse Cigliutti.

O projecto-de-lei que legaliza a união dos homossexuais foi aprovado a 14 de Dezembro de 2002, pela maioria dos legisladores de Buenos Aires, e garante aos casais homossexuais os mesmos direitos, obrigações e benefícios que aos casais heterosexuais.

No entanto, para legalizar sua união os casais deverão cumprir certos pre-requisítos, como serem maiores de idade, ter «convivido numa relação estável e pública por um período mínimo de dois anos» e ter domicílio legal em Buenos Aires.

Notícia TSF.