jump to navigation

Villas-Boas Diz Que Ser Educado por Homossexuais É Uma “Infelicidade” February 18, 2004

Posted by igualdadenocasamento in Portugal.
trackback

Por Catarina Gomes

Luís Villas-Boas, presidente da Comissão de Acompanhamento da Lei da Adopção portuguesa, afirma que mais vale uma criança passar toda a vida numa instituição ou em famílias de acolhimento à “infelicidade de ser educado por homossexuais, sejam dois ou um”.

Reagindo à decisão espanhola de permitir a adopção de duas crianças por um casal de lésbicas, afirma-se respeitador do direito ao livre exercício da sexualidade; sublinha é que tal não significa dizer que se trata de “um comportamento normal”. Face a legislações que permitem a adopção por homossexuais, considera que “é uma perversão o que se passa nalguns pontos da Europa”, nomeadamente na Holanda. “É demasiado grave o que se está a passar no mundo”, defende Villas-Boas, que é psicólogo clínico e director do Refúgio Aboim Ascensão, em Faro.

Deixar que a criança cresça em “ambiente homossexual” tem consequências que devem ser evitadas, nota. “A comunidade científica mundial sabe hoje que não existe homossexualidade genética”; assim, uma criança que seja educada em ambiente homossexual tenderá “a interiorizar atitudes, aprendizagens, reacções do ambiente onde está”, afirma.

Villas-Boas é peremptório quando diz que “a criança não deve nunca ser adoptada por homossexuais”, porque tal irá interferir com a sua “sexualidade natural”. “Tudo o que seja induzir comportamentos que não correspondem à sua condição sexual é um atentado ao direito das crianças”, considera. “A adopção é um veículo do exercício do direito à família de uma dada criança”, mas “qualquer criança também tem direito ao exercício da sua sexualidade original”. Antes de tudo, considera, está “o primado do direito da criança à sexualidade genética”: se for mulher, tem direito a ter filhos, a procriar; o homem tem direito a ser pai. Criar crianças em “ambiente homossexual” é “interferir com o normal percurso do exercício dessa mesma sexualidade”. “Ser lésbica não é ser mulher na plenitude natural do termo, porque se assim fosse não haveria o problema da procriação natural”, acrescenta.

Villas-Boas vê o carinho transmitido por homossexuais como “um carinho falso. Não é carinho organizado, estruturante – gostam deles próprios através da criança”, afirma.

O psicólogo lembra que, em Portugal, a lei das uniões de facto, aprovada há três anos, exclui homossexuais e que a proposta do Bloco de Esquerda que propunha a adopção por casais homossexuais foi chumbada no Parlamento no Verão passado.

Publicado no Público.

Advertisements

Comments»

No comments yet — be the first.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: