jump to navigation

Extrema-direita acusa Governo de ceder ao “lobby gay” September 18, 2005

Posted by igualdadenocasamento in Portugal.
trackback


Presidente do partido diz que Governo está a “abafar” envolvidos no caso da Casa Pia

Por Ângela Marques

O Partido Nacional Renovador (PNR) acusou ontem o Governo de estar a “abafar” os nomes envolvidos no escândalo da Casa Pia, cedendo ao “lobby gay”. Segundo o presidente do partido, José Pinto Coelho, “está a crescer em Portugal um lobby homossexual organizado com uma agenda política concreta”. A acusação foi feita durante uma manifestação “contra a adopção de crianças por casais homossexuais, contra a pedofilia e contra o lobby gay”, que reuniu cerca de 200 pessoas no alto do Parque Eduardo VII, em Lisboa.

Depois de, na convocatória para o protesto, o PNR ter acusado o Governo de “estar a preparar terreno para ceder às pressões do lobby gay”, o presidente do partido recuperou o caso de pedofilia para acusar o “sistema” de estar a “abafar os nomes envolvidos no escândalo”, fazendo com que “os Bibis do sistema paguem por culpas alheias”. Acrescentou “A opinião pública está com o PNR, a opinião publicada é que está com a extrema-esquerda, que é levada ao colo e dá guarida a ‘maricas'”.

José Pinto Coelho não poupou os partidos políticos de direita, acusando “a direitazinha medíocre” de “diabolizar quem defende Portugal e os portugueses”. A ideia foi sublinhada pelo secretário-geral do PNR, Humberto Oliveira, que contou ter recebido “telefonemas de pessoas do CDS e da Nova Democracia dizendo que só não apareciam devido ao receio de serem conotados com movimentos de extrema-direita”.

Apoiada pelo movimento de extrema-direita Frente Nacional, a manifestação foi promovida como um protesto contra a adopção por casais homossexuais, a pedofilia e o “lobby gay”, aproveitando para recolher assinaturas contra o programa de televisão Esquadrão G – que, segundo uma das responsáveis pela iniciativa, Maria Lopes, estimula o “comportamento homossexual”. “Não somos contra os homossexuais mas contra o homossexualismo ideológico que impõe comportamentos desviantes à sociedade como se fossem normais”, sublinhou José Pinto Coelho.

Entre palavras de ordem como “Homossexual, imoral, nunca nunca em Portugal!”, os manifestantes – maioritariamante homens jovens, muitos vestidos de negro e de cabeça rapada, mas também mulheres jovens e crianças – desceram a Rua Castilho e a Avenida António Augusto de Aguiar até ao Marquês de Pombal seguidos por alguns olhares populares.

Entre estes esteve o de Fernando Ferreira, de 46 anos, inspector de alfândega, que aplaudiu a marcha do interior do seu automóvel, estrategicamente estacionado no alto do parque. “A família tem de voltar a ser família”, considera. Fernando não ouviu o discurso do presidente do PNR, mas repetiu a sua convicção “Não existe uma família tradicional, isso foi um conceito inventado para justificar as famílias alternativas. Família só há uma, a natural.”

Convictos de que “os manifestantes não eram mais de 110”, Susana e Inês, de 16 anos, e Alexandre, de 18, descrevem o protesto como um acto “ridículo”. Por um motivo “A convocatória era ofensiva, dizia que a manifestação era contra gays, lésbicas e outras anormalidades.” Apesar de não fazerem parte de uma associação de defesa dos direitos dos homossexuais, os três colaboraram com a Rede Ex-Aequo na recolha de assinaturas para impedir a concretização do protesto. “Conseguimos mais assinaturas do que pessoas aqui”, diz Inês.

Apanhados de surpresa, Maria Lucinda, de 45 anos, e Eduardo Assunção, de 48, assistiram “impressionados” ao desfile. “Isto não faz sentido nenhum, as pessoas assumem-se ou não se assumem, ninguém tem nada a ver com isso”, afirma Lucinda. Apesar de ser contra a adopção de crianças por casais homossexuais, a técnica oficial de contas não concorda com “este tipo de protestos”.

Já Gustavo Moreira, de 15 anos, membro da Juventude Nacionalista, não podia concordar mais com a manifestação. “É preciso mostrar desagrado por esta perversão de valores, esta aceitação da homossexualidade como um comportamento normal”, diz. Para o estudante, a televisão portuguesa é responsável pela promoção de um comportamento que, a par da pedofilia, “é um crime sexual”.

Publicado no Diário de Notícias.

Advertisements

Comments»

1. Anonymous - August 5, 2007

quit smoking hypnotist

quit smoking side effects stop smoking sign chantix pill smoking stop


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: