jump to navigation

“Vamos apresentar projecto de lei que possibilite uniões ‘gay’ na Itália” February 28, 2006

Posted by igualdadenocasamento in Entrevistas, Itália.
trackback

Por Manuela Paixão, correspondente em Roma

Esta “mulher” elegante e sofisticada apresenta-se às legislativas de 9 e 10 de Abril com o nome de baptismo “por questões burocráticas” – no registo civil ainda é do sexo masculino. Vladimir Luxuria não esconde o seu passado de dançarina e garante que, se for eleita para o Parlamento, “não me apresentarei de fato e gravata”. Organizadora do primeiro Gay Pride em Roma (1994), protagonizou um filme sobre um transsexual que se torna deputado, inédito porque proibido por lei.

421188.jpg

Quais são os pontos fortes da sua campanha eleitoral?

Se vencermos as eleições, vamos apresentar um projecto de lei para que as uniões de facto sejam juridicamente equiparadas ao casamento. E que se possibilite as uniões homossexuais. Apesar de o Pacto de Convivência Social (PACS) não fazer parte do programa do centro-esquerda, é uma prioridade para a Refundação Comunista. Tenho de reconhecer que partidos da União, como a Udeur, o Partido Democrata Cristão e a Margarida não aprovam os casamentos homossexuais. Será uma luta difícil mas não desisto.

Quais serão as outras prioridades?

Facilitar as práticas burocráticas para quem quer mudar de sexo e ver o seu novo género reconhecido jurídica e civicamente. Queremos ainda legalizar as drogas ligeiras, permitir e criar zonas para a prostituição, através do diálogo com as instituições e os trabalhadores do sexo.

Que outras regalias oferece aos homossexuais italianos?

Uma campanha muito séria contra a sida, começando pela promoção do uso do preservativo nas escolas. Iremos ainda defender o direito de asilo aos gays e lésbicas oriundos de países onde a homossexualidade é punida com a pena de morte. Farei uma guerra de civilizações contra a discriminação e prometo que não voltaremos a ser descritos em jornais e revistas com nomes ofensivos.

Por que razão nos seus espectáculos se veste de drag queen?

Cada um tem a sua divisa. É como os advogados que quando entram no tribunal vestem a toga ou Berlusconi que só veste casacos traçados e com quatro botões.

Se a esquerda vencer, a oposição, liderada por Silvio Berlusconi, vai ser dura de combater, sobretudo nas questões que defende…

Não creio. Não odeio Silvio Berlusconi. Ambos usamos saltos nos sapatos e maquilhagem nos programas de televisão. Desde a adolescência que reconheci a minha tendência sexual. Nunca tive complexos ou problemas. A minha presença no Parlamento servirá para diminuir os preconceitos.

Como reagirá a Igreja?

Não quero entrar em questões éticas, defendo o Estado laico. Ficaria muito feliz se pudéssemos iniciar um verdadeiro diálogo entre a Igreja e os homossexuais. Porque não podemos ser recebidos no Vaticano?

Acha que a sua candidatura pode assustar os moderados do centro-esquerda?

Penso que não. Os cidadãos têm uma mentalidade mais aberta do que os políticos e vão votar com base nas ideias e não nas tendências sexuais. Eu não me sinto uma adversária dos católicos. E não devem temer que eu queira obrigar alguém a ser gay. Aliás, nem todos os gay votam na esquerda, a maioria vota centro-direita. Muitos votam mesmo na extrema-direita.

Diário de Notícias

Advertisements

Comments

1. Anonymous - June 4, 2007

how to get a bigger penis without pill

penis and ball pump

2. Anonymous - June 24, 2007

new stop smoking medicine

easy way to stop smoking pdf quit smoking gum stop smoking hypnosis san diego


Sorry comments are closed for this entry

%d bloggers like this: